Postagens

Jonas Miguel

Imagem
onerb: A arte entra em sua vida de forma natural (incentivo da família, escola) ou porque motivo em especifico (desilusão, solidão, timidez)?

Jonas Miguel: A arte entra em minha vida rasgando mesmo, invadindo, exigindo de mim uma postura, nem bate à porta, sabe? E ela já se modificou tantas vezes que hoje não sei dizer o que foi natural e o que não foi. Tudo começou com crocodilos e paisagens, flores e casas, desenhos infantis de uma criança buscando conseguir dinheiro pra comprar figurinhas pros seus álbuns. Todo mundo dizia que eu desenhava flores lindas. Que eu tinha sensibilidade. Depois que minha bisavó faleceu tudo se reformulou. Tudo ficou mais nítido. Meu primeiro contato com a tristeza de perder alguém me trouxe uma intensa amizade com a arte. Eu não sei dizer quais sentimentos mais afloram em mim quando busco refúgio em pincéis, tintas, caneta e papel. É tudo muito pessoal e intuitivo: às vezes eu só quero passar o tempo, me divertir, em outros momentos eu estou profundamente…

Lucas Hawkin

Imagem
onerb: Em que momento a arte entrou na sua vida? 
Lucas Hawkin: Posso dizer que a arte se faz presente desde a minha infância, com 2 anos eu tive meu primeiro microfone de brinquedo e vivia cantando pelos cantos. Mas foi aos meus 15 anos que tive uma vivência mais íntima com a arte, conheci o Palco Elite, um projeto teatral do colégio no qual estudei no meu ensino médio. Onde tivemos que montar cenário, escrever roteiros, fazer figurinos e atuar. Eu como sempre tive muita vergonha, até que alguém teve que “abrir o espetáculo” e eu disse que poderia cantar. Cantei junto com a minha melhor amiga Marianna (Stay e Hate That I Love You “Rihanna”). Foi ai que o coração gelou e a garganta esquentou. Era como se eu olhasse o mundo pela primeira vez e o mundo me olhasse de volta. Foi incrível cantar para mais de 500 pessoas e no teatro do grande Miguel Falabella.

onerb: Qual processo de descoberta e aceitação para você foi mais difícil, se ver LGBTTQ ou negro? 
Lucas: Digamos que os dois processo…

Pedro Neves

Imagem
onerb: Como funciona seu processo de criação, e se hoje já não é da mesma forma como no início? 
Pedro Neves: Meu processo de criação sempre teve a mesma base, que foi o ser humano e a individualidade de cada um, no inicio, quando comecei meus primeiros trabalhos autorais falavam muito sobre angustias e questões internas do ser humano, por influência do consumo de literatura e cinema existencialista kkkk, hoje em dia tento retratar pr'alem disso, falo de questões mais espirituais e ancestrais, mas ainda me inspiro na individualidade de cada ser humano que estou retratando, seja em pintura ou fotografia.
onerb: Qual(is) artista(s) você tem como referência e gostaria de uma colaboração? 
Pedro: Poxa, tem varios, mas vejo muitos no instagram e sou péssimo pra gravar os nomes kkkk' um deles é o @iwintola que admiro a mo tempo, tem umas meninas da UFMG também, @julianismo_ e @a0elisa, que seria massa produzir algo com elas, tem a @denisepsantos, que conta muita história pelas fotos de…

Alanne França

Imagem
onerb: O processo de criação para você é algo complexo e organizado, ou vai tudo no liguei a câmera e gravei? 
Alanne: Meu processo de criação é um pouco mais elaborado, todo vídeo meu sempre tem roteiro de no mínimo 3 tópicos e nunca são "simplesmente gravados", dou uma pesquisada antes, pra não falar coisas com coisa, sabe?
onerb: Qual a parte mais complicada na realização de um trampo independente, a criação ou a divulgação? 
Alanne: A parte mais complicada é que as pessoas ainda enxergam quem trabalha com internet como alguém que "só quer likes", ou que é "fútil", o que torna o trabalho e elaboração dele mais difícil, pelo fato de rolar aquele medinho de ser "mais irrelevante do que já acham que sou".
onerb: Se hoje você pudesse escolher uma pessoa para gravar quem seria?
Alanne: Com certeza, Nicole Balestro ou Gabi de Pretas. Nicole não é do ramo direto de criação de conteúdo para o Youtube, mas tem uma história de vida e carreira que me inspira…

Siamese

Imagem
onerb: Trabalhar no meio artístico sendo um preto LGBTTQ para você é? 
Siamese: É essencial, nos deparamos em uma sociedade cada vez mais se encaminhando ao retrocesso. Me posicionar quanto preto e  LGBTI hoje é fundamental para que outras manas se identifiquem e se sintam livres pra serem quem elas desejam. Não é fácil esse posicionamento no meio da música porque vejo minha arte como ferramenta política e de empoderamento, não faço só pelo entretenimento, e geralmente as pessoas estão acostumadas a escutar coisas genéricas e de pura curtição, sem grande peso nas letras.
onerb: Ao entregar um trabalho você sente que recebe do público o que esperava? 
Siamese: Quando entrego uma música claro que quero que ela seja ouvida pelo maior número de pessoas, mas eu não me apego a quantidade ou a velocidade que ela vai atingindo o público. Não tem como prever a reação do público isso é muito subjetivo, cada pessoa vai receber o som de uma maneira. Mas nesse 1 ano de lançamento do meu trabalho tenh…

Esmeralda: por que não dancei

Quando minha mãe ingressou na universidade por volta de 2013, o curso de Serviço Social nos abriu caminhos, digo ‘nos’ porque eu ajudava em maior parte dos trabalhos acadêmicos e acabava lendo os livros e os filmes que a grade do curso pedia.

Entre “Estação Carandiru”(1999), “A tragédia de Eloá: uma sucessão de erros”(2008), me lembro bem de “Esmeralda: por que não dancei” (2000), esse livro mexeu muito comigo, eu nunca tinha visto um livro assim, pelo título pensei que fosse uma dessas histórias sobre alguma bailarina desapontada por não ter participado de um grande espetáculo, mas o ‘dancei’ na verdade se tratava daquela expressão ‘se dar mal’ e nas primeiras páginas já consegui ver cada cena que Esmeralda contava e imaginava o motivo dela não ter dançado. A menina que foi estuprada pelo padrasto durante boa parte da infância e maltratada pela mãe, decide fugir de casa aos 8 anos e nós leitores já podemos imaginar o fim né? Esmolas, roubos, crack, crime, fugas da antiga Febem, estat…

André Lima (Coletivo I AM)

Imagem
onerb: Qual processo pra você foi mais complicado se ver um homem negro ou um homem gay/bissexual/pan? 
André Lima (Coletivo I AM): Minha maior dificuldade foi comigo mesmo em questão de se reconhecer como um homem negro, por ser um negro de pele clara, o “pardo” ou  “mestiço”,  que são formas de reconhecimento geral pelas pessoas simplesmente por você  ter uma pele negra clara, quando era mais novo  eu nunca sabia o que colocar em documentos e testes, se era, branco, pardo ou negro, e quando eu perguntava para alguém respondiam “pardo”, com o tempo e conhecimento até mesmo pessoal e familiar fui me identificar como negro, como muitos outros negros de pele clara. Mais ainda assim em questão de trabalho é sempre visível o preconceito por ser um homem negro gay. Em parte por ser homossexual minha maior dificuldade foi da tal “aceitação da sociedade”, por ser uma pessoa totalmente reservada eu levava muito em consideração a aceitação dos outos e ficava pensando “será que é certo eu mostrar…